< Back
Fevereiro 8, 2021

RPA e a importância da Robótica Virtual

Uma perspetiva geral do que realmente é o RPA e a sua relevância no mundo dos negócios
automatizaçãorobótica virtualrpa

Escrito por:

Luís Rita, IT Consultant

À semelhança dos robôs físicos que têm vindo a substituir os empregos industriais, os robôs virtuais substituirão uma grande parte dos trabalhos empresariais.

A essa substituição designamos o nome de RPA (Robotic Process Automation). Com o uso de ferramentas adequadas às soluções pretendidas de uma empresa, esta pode alcançar resultados incríveis com este tipo de tecnologia. Sim, é verdade que existem outras formas de automação, mas essas exigem o acompanhamento de um colaborador.

Existem no mercado algumas ferramentas de RPA, que podem ser utilizadas mesmo por “não programadores”, ou seja, por pessoas que não tenham background em programação, dando-lhes a possibilidade para igualmente desenvolverem robôs, capazes de automatizar qualquer processo repetitivo virtual.

Estes processos são, habitualmente, tarefas tradicionalmente executadas por um ser humano, mesmo que estas requeiram a interação de vários sistemas ou tecnologias, como aplicações desktop, websites, ficheiros excel, emails, base de dados.

Ajudam-nos a desempenhar certas tarefas de uma forma mais barata, rápida e consistente, por um maior período de tempo, tornando-nos mais eficientes e eficazes.

Já foi provado por diversos Business Leaders em todo o mundo que existem muitas vantagens para nos rendermos e aderirmos a esta tecnologia, tais como: eficiência, qualidade, redução de erros e redução de custos.

Estamos, portanto, perante uma tecnologia que nasceu na nova era, cujo objetivo principal é imitar o que os humanos fazem, usando os seus sistemas e interfaces.

RPA (Robotic Process Automation) - Blog Growin

O que é realmente o RPA?

É o uso a que chamamos robôs de software com, diria eu, capacidades IA e machine learning, que permitem emular e integrar ações desempenhadas tipicamente por humanos. Ações essas que consistem maioritariamente em tarefas empresariais repetitivas e de alto volume, baseadas em regras claras e bem padronizadas de acordo com os processos.

Os programadores de robôs utilizam as diversas ferramentas de RPA para criarem robôs capazes de capturar, interpretar, e executar tarefas rotineiras desempenhadas pelos humanos, e que interagem com os vários sistemas existentes como aplicações desktop, websites, ficheiros excel, ficheiros de texto, documentos XML ou JSON, email, database, entre outros.

Embora o RPA esteja associado a robôs, no sentido em que executa tarefas de forma automática, não podemos dizer que são máquinas físicas que realizam o trabalho. É comum utilizarmos o termo “robôs” para descrever automações de processos virtuais, e dessa forma facilitarmos os “desentendidos” a terem uma visão mais clara do que realmente consiste esta tecnologia.

O que é o RPA - Blog Growin

Sobre os robôs

Os robôs podem ser classificados como Unattended ou Autonomous e Attended ou Assistive. Este primeiro trata-se de um robô autónomo, que é programado para desempenhar uma tarefa sem precisar de qualquer intervenção humana.

O robô Attended ou Assistive, tal como o nome indica, requer a assistência humana num ou vários pontos do processo. Provavelmente numa decisão que exija raciocínio lógico, e que obrigue o automatismo a parar nesse momento.

Principais setores industriais onde podem ser implementados modelos de RPA e tarefas que podemos automatizar

De forma geral, não há nenhuma restrição onde se possa aplicar o RPA. Pode ser utilizado em qualquer setor empresarial ou tarefa. Claro que existem também situações onde são investidas outras soluções, conforme a necessidade da empresa, de maneira a gerar o melhor retorno do investimento (ROI).

Com a vantagem de poder interagir com outros softwares e arquivos através da interface de um usuário comum (a mesma que é utilizada por um usuário humano), o RPA destaca-se pela sua versatilidade em relação a outros tipos de automação, que requerem mais técnica e exigem um maior esforço de trabalho. Não falando da integração de sistemas por meio de APIs, que nem sempre estão disponíveis.

Outros tipos de automação muitas vezes exigem o background de programação e até nisso o RPA destaca-se, pois existem soluções nesta tecnologia que não exigem nem experiência nem conhecimentos de programação.

Setores como o bancário, financeiro, de seguros e BPO, são setores onde se adequa melhor um modelo de RPA. Isto porque são setores com processos repetitivos de alto volume de dados, e de grande consumo de tempo.

No caso dos setores financeiro e bancário, são indústrias muito regulamentadas, que requerem segurança e precisão. É, por exemplo, nesse tipo de tarefas que os robôs se destacam mais em relação aos humanos.

Claro que existem outros setores industriais onde também podemos aplicar modelos de RPA, como as Telecomunicações, Retalho, Manufatura, Saúde, etc., que comparado aos setores que mais procuram o RPA como solução, não se pode dizer que tenham outras vantagens, pois são praticamente as mesmas: eficiência, eficácia, e mais algumas que refiro abaixo.

Devido à sua versatilidade, qualquer que seja o processo que envolva a operação de softwares é possível utilizar o RPA. Ou seja, numa empresa o RPA é implementável em diversos departamentos e áreas.

Desde que seja possível desenvolver automatizações, com base em ações e regras que por norma são desempenhadas pelos colaboradores da empresa. Algumas dessas tarefas podem ser, por exemplo:

  • Copiar e colocar dados
  • Preenchimento de formulários
  • Logins em aplicações
  • Extração de dados Web
  • Interação com múltiplos sistemas
  • Leitura e escrita na base dados
  • Realização de cálculos

Como estas existem muitas outras ações que podemos automatizar com RPA. Contudo, o grande objetivo desta tecnologia não é a substituição dos múltiplos sistemas, mas sim tentar melhorá-los.

O que leva as empresas a implementarem um sistema de RPA e quais as principais vantagens

Para uma empresa sobreviver tem de estar em constante crescimento. Ao implementar um sistema de RPA reduz significativamente os custos e aumenta as receitas, ganhando uma maior margem de lucro.

Ao fazer essa substituição a empresa não só tem vantagens em termos de eficácia e eficiência como também consegue proporcionar aos seus colaboradores um melhor ambiente de trabalho, ou seja, garante menos monotonia e mais produtividade criativa e satisfatória. Como? De forma muito simples.

As principais vantagens da implementação de um modelo RPA são:

  • Redução de custos operacionais
  • Escalabilidade
  • Redução do tempo perdido em tarefas repetitivas
  • Concentração nas tarefas que exigem mais raciocínio e que acrescentam mais valor à empresa
  • Motivação profissional
  • Garantia de qualidade de serviços
  • Redução de erros
  • Aumento dos resultados
  • Aumento das horas de trabalho (24h/24h)

Ao substituir a mão de obra por robôs virtuais a empresa consegue reduzir muito nos custos operacionais. Além disso, consegue ainda diminuir bastante o tempo gasto em tarefas repetitivas.

Dessa forma, origina um ganho de tempo para as tarefas que exigem mais raciocínio lógico. Isto leva a que, de certa maneira, motive os seus colaboradores a terem um modelo de trabalho menos monótono e mais produtivo, tendo mais tempo para estimularem toda a sua criatividade.

Assim, os seus colaboradores ganham mais autonomia para desempenharem funções importantes e estratégicas para o crescimento do seu negócio (core business), sem prejudicarem a qualidade dos serviços que presta ou do produto que desenvolve.

Recorrer ao RPA permite-lhe ainda, de acordo com a performance dos robôs, diminuir a probabilidade de erros e aumentar o retorno no investimento.

Existe ainda a vantagem do período de tempo de trabalho de um robô comparado com o humano. Os robôs podem trabalhar 24 horas seguidas sem férias ou folgas. Já o ser humano, por uma questão de fadiga física e mental, deve por norma limitar-se às 8 horas diárias de trabalho, intercalando com momentos de descanso.

Além de todas estas vantagens, existe ainda outra que, para mim enquanto software developer e um curioso nato pelo funcionamento do negócio, considero igualmente importante.

É o facto de, ao ser implementado em qualquer setor de uma empresa, o RPA tem impacto na agilização da relação entre os colaboradores dos vários departamentos da empresa, criando um ambiente aberto ao diálogo, que vai resultar no conhecimento geral para o progresso da gestão da empresa.

Como em quase tudo na vida, existem vantagens e desvantagens, e o RPA também tem o seu lado menos benéfico. Estima-se que, de acordo com o estudo ‘The future of Workplaces’ do WEF (World Economic Forum) irá existir em todo o mundo, um aumento significativo dos empregos que serão substituídos pela automação até 2025. Este estudo foi feito antes da pandemia, que provavelmente veio acelerar esse processo e antecipar os resultados do mesmo.

Qual a diferença entre testes de automação e RPA?

Muitas vezes há quem confunda testes de automação com automatização de processos. Muito resumidamente, passo a explicar em que consiste cada um deles.

Os testes de automação consistem na repetição dos mesmos testes várias vezes em diversos tipos de sistemas operativos, app móveis ou diferentes browsers. Testes esses que permitem avaliar se o produto está pronto para ser colocado em ambiente de produção ou não.

Já a automação em RPA consiste no desenvolvimento de robôs capazes de executar tarefas reais que anteriormente eram executadas pelos funcionários, com a vantagem de funcionar em qualquer departamento da empresa.

Quais são os passos para implementar um projeto de RPA?

passos para implementar processo RPAOs principais passos são:

Análise e documentação – Primeiramente o levantamento de requisitos. Analisamos os processos, definimo-los e fazemos a sua avaliação para verificar se têm potencial para serem automatizados. Cada processo com o potencial de ser automatizado é documentado. A arquitetura é criada e o ambiente é preparado de acordo com cada processo, assim como todo o fluxo é desenhado.

Desenvolvimento – O processo é desenvolvido conforme regras, e tendo em conta as restrições, até estar completamente automatizado.

Testes – O automatismo é testado de forma massiva e preparado até estar pronto para ser colocado em ambiente de produção.

Implementação e Manutenção – A automatização do processo é implementada no ambiente de produção, oficializado e monitorizado, e tudo o que é informação relativamente aos pontos importantes do mesmo é documentado. A performance do automatismo do processo é avaliada, e se for necessário são feitas alterações na automatização do processo, de forma a corrigi-lo ou melhorá-lo.

Ferramentas de RPA para desenvolvimento de automatismos

Existem inúmeras ferramentas no mundo de RPA, mas destaco aqui neste artigo algumas que apresentam maiores e melhores soluções, cada uma à sua maneira. Alguns desses nomes são: UiPath, Automation Anywhere, Blue Prism, Pegasystems, Workfusion, Another Monday, Kryone, entre muitas outras.

Realço as primeiras 3, porque são as que atualmente têm um maior destaque no mercado e são consideradas as melhores soluções para automatização de processos nos principais setores empresariais a nível mundial.

UiPath – É atualmente a ferramenta mais usada no mercado em todo o mundo. Utilizada principalmente nos setores de Finanças, Seguros, Saúde, Telecomunicações, Manufatura, Setor Público e BPO. Fornece-nos produtos como a Plataforma, Studio, StudioX, Robot e Orchestrator.

Apresenta-nos um conjunto de soluções em automação como: Desktop, Web, GUI, Citrix, Excel, Email, SAP, entre muitas outras. Além de atrativo e bastante intuitivo, tem uma interface com grande poder de flexibilidade.

Automation Anywhere – Atua principalmente nos sectores BPO, Serviços Financeiros, Saúde, Manufatura, Serviços Públicos. À semelhança de outras ferramentas como o UiPath, também usa tecnologia capaz de desenvolver automatismos assistidos e não assistidos.

Apresenta-nos produtos como AA Enterprise, IQ Bot, BotFarm, Bot Insight e o Bot Store. Com uma interface em forma de lista, esta ferramenta é a que mais se assemelha aos softwares de desenvolvimento web, dentro destas 3 ferramentas que apresento.

Blue Prism – Pioneira no desenvolvimento de software de automatização de processos. Ferramenta utilizada maioritariamente nos setores bancário, e-commerce e investimentos. Suporta plataformas como JAVA, Windows, Mainframe. Interface em formato flowchart com funcionalidades drag and drop, e utiliza como base a linguagem de programação C#.

Uipath e o Automation Anywhere são ambas empresas americanas de desenvolvimento de software, sendo o Blue Prism uma empresa inglesa igualmente de desenvolvimento de software. As ferramentas de RPA, como toda a tecnologia, estão em constante evolução e estão cada vez mais a fazer parte do dia a dia no auxílio da gestão, e consequentemente, do sucesso de grandes empresas nacionais e internacionais.

A melhor ferramenta e porquê a minha escolha?

A trabalhar há quase um ano com UiPath, considero que esta é a ferramenta do mercado que, não só apresenta as melhores soluções como também proporciona flexibilidade nas várias etapas do RPA, tendo em conta o vasto leque de produtos que disponibiliza. Alguns deles gratuitamente (Community Edition)
Para desenhar, desenvolver e monitorizar projetos, o UiPath oferece-nos 3 componentes principais que são eles: UiPath Studio, o UiPath Robot e o UiPath Orchestrator.

Fazendo um breve resumo deste primeiro, e que, enquanto RPA developer é o produto que mais utilizo, com um software intuitivo e bastante flexível o UiPath Studio tem ótimas ferramentas para o desenvolvimento de automações e contém diversas atividades que dão uma enorme ajuda no desenvolvimento dos projetos.

Complementando com os conhecimentos de programação, podemos programar inúmeras tarefas que um ser humano normalmente faria, como entrar em sites com páginas dinâmicas através da funcionalidade Web Record ou UiExplorer, ou entrar em aplicações Desktop que com outro tipo de automação não são detetáveis e que com o UiPath são possíveis devido às diversas atividades que dispõe.

Também temos à disposição um poderoso sistema de gerenciamento e controlo de robôs, designado como Uipath Orchestrator. Podemos usá-lo como aplicativo móvel para corrermos, agendarmos e cancelarmos os nossos robôs onde e quando quisermos.

Certamente haveria muito mais para falar sobre UiPath no seu todo, mas deixo isso para um próximo artigo.

Considerações finais

Diria mesmo que o RPA se trata da tecnologia que retrata o futuro. A pouco e pouco o ser humano vai sendo substituído pelas máquinas, e devido ao acelerado desenvolvimento da tecnologia, essa substituição passa a ser igualmente acelerada.

Com isso é certo que iremos ter vantagens e desvantagens. Mas será que teremos mais vantagens do que desvantagens?

Muitos dizem que os robôs vêm para melhorar a nossa qualidade de vida, mas muitos também temem que realmente essa melhora possa trazer igualmente consequências. Será a troca certa no mundo empresarial? Creio que o que podemos fazer por agora é esperar para ver.

Até lá, se tiverem mais questões sobre o que o RPA pode acrescentar a uma empresa, sintam-se à vontade para comentar este artigo ou para nos contactar diretamente.

– – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – – –

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.


×

Hello!

Click below to speak to one of our team members.

× How can we help?